Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Desde que surgiram, no comecinho da década de 70, os videogames se tornaram um fenômeno mundial do mercado de entretenimento e moldaram a cultura popular através de gerações. Agora, décadas mais tarde, a indústria de jogos fatura mais do que as de cinema e música combinadas e é a responsável por investimentos bilionários ao redor do mundo. E o Brasil está incluso nessa onda.

O que pode acontecer em seis meses? O mundo pode entrar em lockdown, seu time pode ser campeão várias vezes e uma empresa pode passar a valer de 1,3 bilhão para 3 bilhões de dólares em valor de mercado. Conheçam a Wildlife, empresa brasileira de games fundada na cozinha da casa de dois irmãos paulistas, com a ajuda de um amigo chileno. Ela viu sua base de usuários de seus principais jogos, Tennis Clash, Zooba e Sniper 3D, crescer de 30% a 50% nos últimos cinco meses, acumulando mais de 2,6 bilhões de downloads no mesmo período. Isso se deveu a uma combinação de juros baixos e sobra de liquidez no mercado com a maior pandemia dos últimos 100 anos, que mudou o comportamento das pessoas em relação ao consumo de entretenimento, seja no tempo dedicado a ele ou na plataforma pela qual ele é acessado.

 

Também se deveu à competência da empresa, que consegue crescer 70% ao ano desde 2014, lança, pelo menos, um jogo de sucesso a cada 12 meses e conseguiu entender as mudanças que ocorreram durante a pandemia, com a migração dos consumidores para jogos de celular, mais baratos que os de console e, portanto, mais acessíveis para um número muito maior de pessoas.

O resultado desse desempenho fantástico é o aporte de US$ 270 milhões, entre outubro de 2019 a julho de 2020, e a entrada de investidores do calibre da 3G (de Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira), do presidente do conselho do Linkedin e até de Carlos Saldanha, Co-Diretor de “A era do do Gelo” em seu quadro de mentores. Esse é um fenômeno que pode ser visto em todo o globo.  “Do início de 2016 a julho de 2020 foram firmados 2.020 negócios entre empresas de jogos e fundos de venture capital. Só neste ano 1,3 bilhão de dólares já foram investidos.”, é o que afirma uma matéria publicada pela revista “Exame” sobre o segmento. 

Apesar do cenário positivo, a Wildlife é a única brasileira entre as dez startups com maior valor de mercado do ramo. Isso mostra que, embora a indústria de jogos eletrônicos esteja fincando seus pés até na Faria Lima, ainda há um potencial gigante a ser explorado pelas empresas do país, que se tornou conhecido internacionalmente por oferecer profissionais altamente qualificados com um custo muito menor que o de lugares como EUA ou Alemanha.

Quem imaginou que um mercado considerado “infantil” anos atrás estaria hoje na vanguarda do crescimento econômico mundial? Se você tem algo pra falar sobre o assunto, compartilhe com a gente aqui porque a sua opinião é que nem videogame pra gente: um motivo de alegria e que vale muito.